Tela do artista plástico moçambicano Antero Machado.

Tela do artista plástico moçambicano Antero Machado.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

BULLYING

Desejando participar desta blogagem sobre a campanha contra o Bullying, já com algumas idéias na cabeça, visitei alguns blogs e dentre eles li o post do Ricardo Pereira do http://conversavinagrada.blogspot.com/. Ele ali colocava muitas coisas que eu já pensava e ainda não tinha colocado no papel. Resolvi então reproduzir o seu post esperando ,que quanto mais divulgarmos e falarmos sobre este tema, iremos contribuir para que ele diminua. O Rogerio, ao invés de falar diretamente sobre o bullying ele falou de como criar um autor de bullying.

A Elaine Gaspareto do "Um pouco de Mim",  http://elainegaspareto.blogspot.com/ , abordou outro tipo de bullying que também se alastra e perturba bastante, que é o Bullying blogueiro. Se informem sobre ele no blog da Elaine. Mas este tem forma de se combater de maneira mais eficiente.

Mas certamente os autores de qualquer tipo de Bullying passam pela “receita” dada pelo Rogerio.

Este vídeo nos lembra bem a nossa responsabilidade como adultos.





COMO FORMAR GENTE AGRESSIVA E VIOLENTA

1.      Comece, desde a infância, dando ao seu filho tudo o que ele pede. Assim crescerá convencido de que o mundo inteiro lhe pertence.
2.      Não lhe dê qualquer educação moral. Espere que chegue à maioridade para que possa decidir livremente.
3.      Quando disser palavrões, ria-se. Isto o animará a fazer coisas ainda mais "graciosas".
4.      Não o contrarie nunca, nem lhe diga que está mal algo que faça. Poderia criar-lhe um complexo de culpa.
5.      Arrume tudo o que ele deixa espalhado: livros, sapatos, roupa, brinquedos. Assim se acostumará a atirar a responsabilidade para os outros.
6.      Deixe-o ler tudo o que lhe caia nas mãos e ver todos os programas de televisão e navegar na net sem fazer a minha ideia por onde "viaja". Cuide de que os seus utensílios - pratos, talheres....- estão bem esterilizados. Porém, deixe que a sua mente se carregue de lixo. Assim aprenderá a considerar valioso o que só é porcaria.
7.      Discuta e critique o seu par em sua presença. Assim, não ficará surpreendido nem sofrerá demasiado quando a sua família ficar para sempre destroçada.
8.      Dê-lhe todo o dinheiro que quiser gastar, não vá ele suspeitar que para dispor de dinheiro é necessário esforçar-se e trabalhar.
9.       Satisfaça todos os seus desejos, apetites, comodidades e prazeres. O sacrifico e a austeridade poderiam produzir frustrações.
10.  Ponha-se ao seu lado em qualquer conflito que tenha com os seus professores, vizinhos e amigos. Pense que todos eles têm preconceitos contra o seu filho e que de verdade querem aborrecê-lo.

(Miguel Santos Guerra, La Opinion de Malaga, 7 de Janeiro de 2006)

NOTA: Não está provado que daqui saia um vândalo, pode-se dar o caso de se estar a produzir uma figura pública de grande relevância nacional, na área dos negócios ou outra... 
Rogerio Pereira.

Falando no meu linguajar e traduzindo a ironia do Rogerio, utilizando esta "receita" estaremos também produzindo individuos que que continuarão a formar mais tarde esta classe de politicos e empresários predadores, mal carater, sem ética, sem responsabilidade social, que não enxergam limites para as suas ações.
.

23 comentários:

  1. Sensacional o vídeo! E o pior é que realmente acontece todos os dias, em quase todo lugar e muita gente nem repara, ou acha normal.

    ResponderExcluir
  2. Lufe,

    Realmente, os pais representam um modelo, não o único, mas o principal para os filhos. Criar bandidos, vândalos, agressores, preguiçosos, malandros e outras coisas mais, depende muito da forma como conduzimos nossos filhos pela vida afora.
    É tarefa difícil? Dificílima. Exige atenção e cuidados diários. Nunca desanimar. Estar sempre disposto a brigas homéricas, pois quem vive sem um "não" está sujeito a se transformar, mais tarde, em um deliquente. Os nãos são mais que necessários, e acho que o bullyng passa por aí. Pela educação que praticamos dentro de casa.
    Acredito que a união de muitas pessoas acabará por coibir essa prática maligna em nossas escolas e em toda socidade.
    Parabéns pelo post!

    Beijo

    Carla

    ResponderExcluir
  3. Lufe, li isto em voz alta a meu neto Diogo. Ele disse-me. "Vô o Lufe fêz bem em difundir tua mensagem, queria que as crianças brasileiras, quando forem crescidas. também sejam pessoas de bem" Não sei se me neto tem a percepção do que seria uma comunidade de cultura intercontinental exemplar, mas hei-de lhe explicar...

    Obrigado Lufe pela citação!

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Lufe, fico feliz em ver que o selo está rodando por aí :-) Ele já passou pelo meu blog tb.

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Amar é... Ensinar.
    Corrigir de maneira que a criança possa captar tudo que foi feio e não repetir.
    Amei esse texto, muitas vezes se ama um filho de maneira errada, egoísta e sem explicações, daí geram marginais possessivos, bárbaros e preconceituosos .
    Uma criança é um ser indefeso que nasce e vem automaticamente aprender.
    Por amor aos filhos os pais deveriam estabelecer limites.
    Como? Dando exemplos, ensinando , conversando, mostrando e acima de tudo corrigindo.
    Como professor em ensinamentos, tive o dia-a-dia, a vida nas ruas.
    Mas nem por isso fui roubar, cheirar cola entre outros vícios horríveis e sem volta.
    O que eu fazia era querer sempre aprender e aprendia.
    Mas foi muito confuso algumas vezes.
    Por isso alerto sempre aos jovens que não sejam fracos e só porque um amigo faz algo errado , estamos ali por que não? Não façam!
    Pensem: Amigo? Só se for da onça.
    Amigo são aqueles que te ensina, te corrige quando precisa ser corrigido e te diz o certo e você sabe que é o certo.

    Um abraço amigo.
    Beijinho.
    Fernanda.

    ResponderExcluir
  6. Lufe, nunca é demais falar no assunto e a receita é bem essa mesma, sem educação não há salvação!
    Acho esse vídeo o máximo!
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  7. Oi Lufe!
    Parabéns Lufe, muito pertinente o assunto.
    O problema é muito sério e deve ser discutido com seriedade. Acho, na maioria das vezes, o ponto está na falta de responsabilidade familiar. Nunca pode ser mais fácil "delegar" toda "educação" a terceiros ou até mesmo à escola eximindo-se da tarefa de pai e mãe.Depois de (mal)formados adultos o resultado já é sabido por todos e a todos caberá a tarefa de arcar com as consequências dessa irresponsabilidade fácil.
    Um bj., obrigada pela visita e seja bem-vindo! Quanto a mim, sigo-te.

    ResponderExcluir
  8. Ótimo texto Lufe perfeito mesmo acho que todos nós não podemos nos esquecer da nossa responsabilidade de formar individuos.
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Excelente post e o vídeo é como um tapa na cara, Lufe!

    Fico irritada quando vejo pais e mães querendo ser amigos dos filhos, acho uma grande irresponsabilidade. Não quero ser amiga dos meus futuros filhos, quero ser mãe, ocupar o "cargo" que me caberá, com todas as dores e delícias que isso implica.

    Beijo pra ti. Ótima semana!

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Seu espaço é muito interessante.
    Estou te seguindo!
    Fique a vontade para me visitar também

    http://comoeuvejo.blogspot.com/

    abraço!

    ResponderExcluir
  11. O tal do BULLYING já existe desde que o mundo vive.
    Quando eu estudava também rolava. Uns caras se achavam o máximo na escola e no bairro e partiam para a pressão, para a coação, ameças e até agressão. Eu as vezes até ficava com medo, mas sempre reagia e "porrada estancava". Sou contra violência, porém, não aceito ser submetido por escroto algum!
    Ensino isso ao meu filho: "Não agrida ninguém, entretanto, se partirem para agressão com você reaja, se defenda".

    É isso.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Lufe


    sim...os filhos são cópias dos pais..e infelizmente nesta ânsia louca de suprir a falta da presença física, os pais os suprem de todas as necessidades ou não de bens materiais...
    e é aí que mora o perigo...não dão valor a nada..

    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  13. Lufe,
    Muito obrigada por aderir. Acho um tema amrgo, mas absolutamente indispensável de trazer à luz.
    Linkei o teu post ao meu, tá?
    Muito obrigada pela inspiração constante!
    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Excelente abordagem do assunto, ótimo post. Matérias assim deviam passar diariamente na tv, no intervalo da novela.

    Vim atráves do blog da Elaine Gaspareto.
    Ótima semana!

    ResponderExcluir
  15. Nossa, Lufe, o vídeo é chocante!
    Mas, infelizmente, acho que algumas pessoas só se tocam para certas realidades com safanões assim, com tapas na cara, mesmo!
    Enfim, seu post é mais que oportuno.
    E, sabe de uma coisa, acho que um dos ambientes em que mais vivemos esse tipo de situação é no trânsito, embora nem deva ser considerado bullyng.
    Mas fico impressionada como é cada dia maior a competição e a agressividade no trânsito. Ao volante, a maioria das pessoas se esquece de que é, antes de tudo, pedestre. Se esquece, principalmente, de que o bom senso - que também significa dar passagem ao outro quando necessário - está entre as principais características do bom motorista.
    Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  16. Oi Lufe,
    O bullying é uma forma horrível de constranger uma pessoa. Traumas que ficam para o resto da vida. Respeito e educação é o que se precisa com certeza.

    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Caraca, muuito otimo esse post! Tive uma palestra esses dias atrás de buillyng na minha faculdade e olha tem mais desse mal por ai do que a gente imagina. É complicado... Mas vamos lutar contra!! Belíssimo post =) beijao

    ResponderExcluir
  18. Oi Lufe. Esse post do Rogério que deveria virar aquelas correntes de e-mail que a gente recebe toda hora. Em vez de tanta bobagem, temos que espalhar as boas sementes.

    Recebo muito bullying virtual, através de e-mails, princpalmente. Gente que odeia o Japão, ou tem racismo contra amarelos, mandam todo o tipo de desgraça que aqui aconteceu: foto de gente morta em terremoto, na bomba atômica, etc... mas não ligo, o virtual é fácil de lidar (mando tudo pra lixeira).
    Mas no dia a dia, principalmente qdo somos crianças...ai é complicado! as marcas ficam pra sempre.

    excelente divulgação! uma boa semana pra vc!
    abraços

    ResponderExcluir
  19. ah, esqueci de te falar! Existem muitos blogs de japas que moram no Brasil e contam as coisas boas daí. Divulgam o Brasil bom, não aquele que aparece na CNN, cheio de tiro e tráfico.

    Eu registrei o titulo lost in brasil para um novo blog... o problema é que não estou ai, teria que ser só informação com fotos de internet... mas tá registrado e estou querendo lançar (falta é tempo!)
    dai ia pedir ajuda dos amigos para oferecerem material hahaha, pra dar um help.
    abraços

    ResponderExcluir
  20. Olá Lufe!
    Já tinho visto este post no blogo do Rogério, mas nunca é demais ler outra vez, e acho que os pais deste tempo todos o deviam ler, os pais agora estão sempre de roda da televisão, ou do computador,não dão atenção aos filhos e depois a forma de os compensar fazem-lhe as vontades todas, e saem estes pequenos bandidos que não respeitam ninguém.

    Abraço,
    José.

    ResponderExcluir
  21. Olá, Lufe, boa tarde!

    O vídeo mostra a realidade, é triste.

    Essas regras para criar delinquentes eu já tinha visto na internet, o padre Marcelo Rossi tb já fez uma pregação utilizando esse texto.

    As pessoas precisam de limites, não tem jeito. Olha, que desânimo dá ver as notícias diárias, Deus nos livre.

    Beijo,

    PS: Copiei a imagem do selinho, ok?

    ResponderExcluir
  22. Biula,

    Pode pegar a vontade
    Este video é realmente chocante.

    bjo

    ResponderExcluir
  23. Oi, Lufe!

    A agenda andou lotada, mas cá estou.

    Que vídeo chocante! Muito bom. Serve como alerta.

    Porém, eu já vi muita criança reagir diferente dos pais e mesmo não aceitar o que os veem fazendo, ou mesmo fazendo ao contrário. Creio que isso decorre de algo que me ensinaram:

    personalidade é algo inerente à pessoa, nasce e morre com ela e nada muda. Caráter já é aquilo moldado pelos pais ou pela escola (mais pelos pais) na criança e também permanece, entretanto, tal coisa somente consegue alcançar objetivo até os 5, 6 anos de idade, depois, como me disseram: "nem com chicote".

    Meu filho, no Brasil, e meu sobrinho já sofreram bullying. Meu sobrinho, principalmente. Concordo com o Guará Matos, é preciso ensinar a reagir, a se defender, por isso, meu filho faz jiujitsu. Nesta selva louca, precisamos nos precaver.

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Entre no papo, comente!
Sua opinião é sempre bem vinda!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...