Tela do artista plástico moçambicano Antero Machado.

Tela do artista plástico moçambicano Antero Machado.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Delícias da minha Juventude VI – ano 72 – Mudança Geral

Recebi na semana passada a ligação telefonica de uma colega de faculdade me convidando para o nosso encontro de 35 anos de formados. 
Confesso que passou um filme em minha cabeça e ele foi extremamente reavivado quando recebi o convite de ingressar na pagina da turma no facebook. A ultima vez que eu tivera contato direto com eles foi em 97, nosso ultimo encontro.
Resolvi então continuar a contar as "Delicias da minha juventude" ( pra quem quiser ver ou rever o inicio da serie clique aqui ) pulando o ano de 1970 e indo direto ao ano que consegui o meu ingresso na faculdade.
Vou tentar contar algumas peripecias de meus anos de faculdade cronologicamente, embora as lembranças me venha em roldão. Certamente agora contarei com a ajuda de varios desses colegas e amigos, que me ajudarão a relembrar os fatos.
Em 70 eu prestei vestibular na federal em Belo Horizonte e não passei. Nem poderia!
Eu havia terminado o terceiro ano em 69 (durante o serviço militar, que já contei um pouco por aqui nos “Delicias” anteriores), ano em que passei sem praticamente estudar devido as circunstancias  e trabalhara durante todo o ano de 70, no inicio no mercado de capitais como operador de Letras de Cambio e no segundo semestre  se prolongando até o final de 71 ajudando um amigo de infância, que montara um sebo e precisava de alguém que o ajudasse na Livraria. Como eu adorava ler e tinha disponibilidade, alem da grande amizade que nos unia, fui uma opção natural. 
Ano fantástico esse, onde, apesar de não receber nenhum pagamento pelo serviço, que chegava a ser de dez doze horas/dia, se transformou em um dos anos de maior alegria e crescimento pessoal. O meu amigo me pagava de uma forma pitoresca. 
Se ele ia mandar fazer uma calça, por exemplo, ele me levava junto e mandava fazer uma para mim. Naquela época ainda não usávamos as calças jeans, raras por aqui, mas mandávamos fazer nossas calças em lojas modernas que faziam calças sob medida, em panos de brim, coloridos, de cós baixo (15 cm) e bocas largas. As tais “bocas de sino”, apertadas até o joelho e com bocas que cobriam os pés (Tive uma feita com pano de colchão, daqueles de capim, listrado de azul e branco, que me assombra até hoje).
Se saiamos a noite, e ele visse que eu estava de papo com alguma garota, ele discretamente vinha e colocava uma grana no meu bolso, para garantir a noite. 
Quer um trabalho melhor que esse?
Alem disso eu tinha acesso livre a qualquer livro que aparecesse na loja, e eu, como rato de livro que era, me esbaldava. Tive acesso aos mais diversos autores e, o mais importante, a toda literatura de vanguarda que pipocava na época. Li de tudo! Expandi a mente!
Neste ano de 71 tiveramos um inicio de ano, até fins de março, muito atribulado, chegando a trabalhar até 16 horas por dia na epoca de inicio de aulas, ficando por vezes até sem almoçar. 
As vendas e trocas de livros usados era tanta, que a caixa registradora enchia e não tinhamos onde por o dinheiro, colocando-o em caixas de papelão, arrumados em pacotes presos com aquelas gominhas de banco. As caixas enchiam e eram empilhadas no deposito. Sério, isso ocorria mesmo! Nunca vimos tanto dinheiro vivo em nossas vidas.  
Quando fechavamos a loja, tinhamos ainda que arrumar todo estoque e só depois, pediamos um frando assado num restaurante perto. Essa era toda nossa alimentação do dia.
Chegando o mes de julho, meu “patrão” me disse: - Vamos viajar?
E eu falei: - Pra onde?
Ele respondeu: - Tou com vontade de ir a Salvador, vamos?
E eu: Como?
Ele: - Deixa comigo, é por minha conta!
Fomos e passamos o mês inteiro por lá! Trinta dias de pura farra!
Dias memoráveis, dolce far niente, natureza e mulheres lindas, peripécias que depois em uma outra oportunidade eu conto por aqui esse meu ano 71!
Mas voltando ao vestibular, depois do que eu já disse, vocês já viram que passei praticamente dois anos sem estudar e seria muito difícil eu ser aprovado.
Como eu tinha uma base até bem razoável, eu resolvi tentar também o vestibular fora, já para o ano letivo de 73. Fiz, portanto, a inscrição para Beagá na Federal e para Uberaba, no triangulo mineiro, na Uniube, escola particular. 
Chegando lá, feito o vestibular, fiquei um pouco sem esperanças, pois fiz as provas somente com o conhecimento que eu tinha adquirido no ensino médio. O vestibular de Uberaba era completamente diferente de tudo que eu tinha estudado para as provas da Federal. 
Apostei mal, e me ferrei. Sai de lá com esse pensamento.
Sai o resultado. Não passei!!!! Nem em Beagá e nem lá!
Logo depois, me ligam de Uberaba falando que a primeira lista que saíra fora anulada e que na segunda lista o meu nome constava. Quase cai para trás! Eu fora aprovado!
Agora era largar toda minha vida por aqui, mudar-me para o interior e me adaptar a nova vida. Confesso que quase não fui. Eu tinha uma namorada já há dois anos e eu era profundamente apaixonado. (Para quem ainda não sabe, eu sempre fui dado a grandes paixões e ate hoje padeço deste mal. Eu me entrego e quase sempre me estrepo. Triste sina!)
Com ela eu desenvolvera meu lado artistico e fazia artesanato e pinturas a oleo, que vendia na Feira de Artesanato da Praça da Liberdade, onde fui um dos artistas que iniciaram o projeto. Isso mesmo! Eu era artista plastico credenciado e de carteirinha. 
Alem disso, tinha toda a minha turma de amigos, forjada desde a infância, que nos encontrávamos quase que diariamente numa das esquinas do bairro, onde fazíamos ponto. Éramos quase trinta e todas as minhas experiências de vida, até aquela época, foram adquiridas em compartilhamento com eles. Era um aprendizado de “osmose”, adquirido em trocas e convivência. Viviamos! Todos tínhamos uma criação e educação  familiar semelhante, mas a vivencia de rua, principalmente àquela época de grandes transformações sociais, fora construída na experimentação. Acerto e erro. E muita discussão e muita troca.
Agora eu teria de largar isso tudo, sair da minha zona de conforto.
Eu teria que amadurecer e crescer por outras bandas.
Fui! 

(Continua no proximo capítulo)


15 comentários:

  1. Sabe que adoro esses posts, quase todo mundo tem uma roupa dos anos 70 te assombrando,kkkk
    Sabe que eu te invejo, gostaria de ter trabalhado num sebo. Ah! Quem não foi a Salvador no começo dos anos 70? Eu fui, passei um verão inesquecível e um Carnaval que não tem nada a ver com que é hoje!
    Tenho certeza que o que eu sou hoje foi forjado no fim dos anos 60 começo dos 70, por isso fico tão admirada com o egoísmo vigente da atualidade! Tô veia!
    bjs
    Jussara
    PS: A proposito adorei a foto, tá lindão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jussara,

      Estes posts contam um pouquinho de mim, e procuro focar no que, as vezes, nem minhas filhas sabem. São passagens que ajudaram a formar o homem que sou, mas muitas vezes passaram desapercebidas até de quem vivia mais diretamente comigo.
      Naquela época, a mudanças sociais eram tão rápidas que a gente acabava sendo um na rua e outro em casa. A distancia entre as gerações era extrema!
      Este meu amigo era sobrinho de um livreiro antigo e muito conhecido em Beagá e trabalhara com ele desde os 14 anos e tinha um grande conhecimento da arte do sebo.
      Ele sabia que o vendedor tinha que ser diferenciado, pois o freguês do sebo também o é.
      Aprendi muito lá, os papos eram ótimos e a clientela nos puxava pra cima.
      Esta minha estréia em Salvador foi fora da época carnavalesca, mas a cidade era fantástica, o povo e quem a freqüentava à época faziam um clima de muito alto astral, com uma liberdade a flor da pele.
      Eu também sou o que sou, certamente forjado no final de 60 e inicio de 70. A solidariedade, a partilha, o disprendimento, a liberdade, a busca do novo,a convivencia e a tolerancia, eram o amalgama.
      Essa foto parece o Salsicha do Scooby Doo.....rsrs

      Bjo procê

      Excluir
    2. Gente, adorei esta frase da Jussara ! Todo mundo tem uma roupa dos anos 70 te assombrando. rss Lindo isso. Lufe, estou adorando e mal posso esperar pelo próximo figurino. Bjs!

      Excluir
    3. Malu,

      O interessante é que nessa época as lojas só tinham roupas formais, caretas, modelos ainda dos anos 50.
      No final dos anos 60 é que surgiram por aqui as calças jeans, mas sempre importadas e muito caras.A solução foi mandar fazer calças com panos alternativos à época, como o brim colorido, pano de forrar moveis, pano de cortina e etc. As camisas que anteriormente eram de colarinho,manga e bolso, todas de pano ou poliester, nas cores azul ou branca, passaram a ser de malha e quase sempre tingidas com tintas guarani e as vezes decoradas com rendas de algodão igualmente tingidas.No inicio dos anos 70, usava-se camisas cirtas, quase no cós das calças, mas elas já eram coloridas, estampadas ou listadas, nas mais variadas cores.Tinha muita roupa para nos assombrar....rsrs

      bjo procê

      Excluir
  2. Oi, Lufe, muito interessante conhecer uma parte da sua vida. Eu nasci nos anos 70 e ainda pequena usei umas calças boca de sino. Muito legal você ter ajudado seu amigo no sebo recebendo por meios alternativos. Você foi amigo de verdade. Eu passei no vestibular mas não conclui meu curso de Contábeis, no segundo ano minha vida deu uma revira-volta daquelas! Meu sonho era fazer Desenho Industrial, mas o vestibular na capital estava num nível muito além do meu conhecimento adquirido em escola pública. Agora descobri o que temos em comum: se entregar a paixões e se estrepar no final. hahaha, Clássico! Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia,

      Eu sempre considerei um privilegio ter tido a oportunidade de assistir de camarote e ao mesmo tempo de participar de todo aquele tsunami de acontecimentos. Eu não poderia ter nascido em época melhor. Naquela época solidariedade, partilha e muitas outras coisas eram a tonica. Ao mesmo tempo que eu o ajudava ele me dava uma grande oportunidade de crescer.
      E porque não persegue o seu sonho no estudo?
      Quanto as paixões, eu até tentei mudar, mas ai não seria mais eu. Só me sinto feliz assim. A diferença é que hoje sei que elas vão e vem. Pra que ter medo?

      Bjo procê

      Excluir
  3. Lufe, passou um filme? Filmão! E pode transformar em série e ir nos deliciando aos poucos aqui... Anos 70, estava na adolescência... Anos inesquecíveis!
    Amei saber mais da sua rica história de vida, só não gostei do "Estrepar", seu e da amiga Bia, porém a vida segue para melhor!

    Beijãooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia,

      Quando eu falo em estrepar, falo dos desacertos, mas sem nenhuma conotação de fatalismo. Como disse à sua xará, continuo firme e forte, aberto a novas relações.
      Se eu não pular de cabeça, as coisas pra mim não funcionam, daí a margem de erro cresce, né?

      Bjos procê

      Excluir
  4. Como dizia minha mãe " recordar e viver", ainda mais se você tem coisas ótimas para lembrar , adorei
    bjs meu querido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lidia,

      Eu, graças a Deus, só tenho boas lembranças. Vivi e vivo bem, comigo e com os outros.

      bjo procê

      Excluir
  5. Êh,Salsicha... Amei assistir ao primeiro de uma série de filmes dos quais fui figurante. Peguei tanta "ponga" desses livros do sebo empilhados rotativamente na sua cabeceira, que acabei fazendo letras.
    bão dimais ler e relembrar.
    beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Concha,

      O bom é que você não me deixa mentir sozinho!....rsrsrs
      Boas lembranças.

      bjão procê

      Excluir
    2. Só te ajudei a mentir no "Salsicha", né Linguiça? kkkkk
      bjs

      Excluir
  6. "daqueles de capim, listrado de azul e branco, que me assombra até hoje)" hahahah . vixe, eu mtas vezes me pergunto como tive coragem de usar certas coisas hahaha. mullets qdo era moleque, roupas new wave dos 80, hahaha.

    acho legal ler esses posts da sua história. dá pra gente ver que vc curtiu bem cada ano, com uma cabeça bem legal. ainda mais nos 70, tanta coisa acontecendo, outra cabeça das pessoas, outra mentalidade. tenho dó da molecada que "curte" a vida comentando sobre tv no twitter. vc tem mta história de vida, pessoas assim é que podem dizer que viveram.

    grande abraço Lufe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre,

      Eu, por temperamento, sempre fui muito participativo.
      Então, se ocorria alguma coisa nessa epoca eu estava dentro.
      Acho que hoje existe é informação demais, instantanea e multivariada. As pessoas se apegam ao imediatismo e ao modismo, alem da superficialidade. Não dá tempo de se inteirar das coisas a não ser que se tenha um filtro ativo, e infelizmente so a maturidade o dá. Independe da idade. Eu, ultimamente, ja ando achando que mesmo filtrando eu ja recebo informação desnecessaria demais!
      Quanta coisa eu não precisava saber!
      Você, por outro lado, esta fazendo a sua historia, e muito rica por sinal!

      um abração procê

      Excluir

Entre no papo, comente!
Sua opinião é sempre bem vinda!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...