Tela do artista plástico moçambicano Antero Machado.

Tela do artista plástico moçambicano Antero Machado.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Blog Retrô - HAIR

Este post faz parte da Blogagem Coletiva proposta pela Elaine Gaspareto ("Um pouco de mim"), o Blog Retrô, onde a gente reposta posts dos quais a gente gosta, que causaram repercussão, polemica ou as vezes que até passaram desapercebidos na época da postagem e queríamos recordar. 
Para ler mais sobre a Blogagem Retrô clique  aqui 

***
 A postagem sobre os pelos femininos (aqui) me trouxe a memória de um grande acontecimento que mudou radicalmente a minha vida.
Eu o relembro ainda com emoção e conto para vocês.
Hair  esta sendo encenada na Broadway e quem tiver a oportunidade de assistir não pode perder, pois essa é a montagem do texto original, sem adaptações. Fantastico!!!

Ao final de 1969, o musical Hair chegou a Beagá, com grande estardalhaço.
Era uma peça onde os atores eram “hippies, loucos desvairados, rebeldes, subversivos”, e outras cositas más.
Fui assisti-la, com a namorada da época (ah, que saudade!) no Teatro Francisco Nunes, no Parque Municipal.  Chegamos entusiasmadíssimos para ver aquela novidade!
De cara, nos deparamos com os atores perambulando em torno do teatro, um bando de ilustres desconhecidos, maltrapilhos, cabelos desgrenhados, caras de sujos, aparência de drogados..... Confesso que deu medo!
Outra coisa que me chamou a atenção era o fato de serem todos bem jovens, da minha idade, e me pareceram tão maduros...
Hair havia estreado na Broadway, no Teatro Baltmore em 29 de abril de 1968 com grande sucesso e teve quase duas mil apresentações no local.
O musical segue a trajetória de um grupo de hippies, A Tribo,  da Era de Aquário politicamente ativos, em sua luta contra o recrutamento militar no período da Guerra do Vietnam. Entre os hippies estão Claude e Berger, que lutam contra a convocação do primeiro, e Sheila, filha de burgueses, apaixonada pelos dois, mas muito envolvida na luta política para cuidar de seus sentimentos amorosos. Eles e os outros membros do grupo sintetizam o pensamento e a prática dos hippies nos anos 60.
Neste mesmo ano do lançamento do musical, 1968, no mês de dezembro no Brasil era assinado o Ato Institucional nº 5 que intensificou a ditadura militar com cassações de direitos políticos, prisões e torturas áqueles que se opunham ao regime e exigiam liberdade em todos os sentidos e principalmente de "expresssão" no caso dos artistas.
Neste contexto, no ano seguinte ou seja em outubro de 1969 estreava em São Paulo a montagem brasileira do musical, no palco do Teatro Aquarius, mais tarde Zaccaro, na Bela Vista. Graças à audácia do ator e produtor Altair Lima que comprou os direitos da peça para ser encenada no Brasil e investiu todas as suas economias, na época, cerca de duzentos (200) milhões de cruzeiros e permaneceu em cartaz de 1969 a 1972, sempre tendo apresentações com lotações esgotadas e chegando a quase duzentos mil espectadores só nos oito primeiros meses de lançamento .
Ademar Guerra, diretor e o produtor Altair Lima tiveram que vencer várias dificuldades. Primeiro, a descrença de empresários teatrais de que era possível montar um musical do porte de Hair no Brasil. Depois de vencida esta resistência, veio outro problema: a censura.
A montagem original era repleta de cenas em que os atores apareciam nus, o que desagradou a censura. Seguiu-se uma penosa negociação e, ao final, os censores concordaram em que a nudez dos atores seria mostrada apenas uma única vez na peça, em uma cena com apenas um minuto de duração e na qual os atores deveriam permanecer absolutamente imóveis.
Apesar das restrições, Ademar deu um tratamento requintado à cena, que caiu no gosto do público e da crítica e é lembrada até hoje como um dos grandes momentos do teatro brasileiro.
Na introdução do tema ”Aquarius”, eu já estava totalmente em choque!
A partir daí foi um choque atrás do outro
O elenco não estava fazendo uma tribo hippie – era uma tribo hippie. Seus cabelos inclusive eram de verdade, não eram perucas. Não tinham nem um pingo de maquiagem e a luz era tão genialmente marcada nas profundidades do teatro que a minha sensação foi estar realmente testemunhando um rito tribalista, observando uma real comunidade hippie
Eu me lembro, que em certo momento da peça, todos cantando, entram sob um grande lençol branco, enorme, e a iluminação joga luzes giratórias de todas as cores incidindo em movimento sobre ele. O grande lençol se movia como um mar em ondas, notava-se uma grande agitação por baixo dele.
O canto continua , as vozes foram se elevando e de repente.....
O pano sobe e estão todos eles nus, de braços abertos, paralisados e amplamente iluminados com luz branca, clarissima.
Esta cena durou a imensidão de 1 minuto e todas as luzes se apagam!
Foi um silencio sepulcral. A platéia estática, de olhos arregalados.
Ninguém nunca havia visto uma coisa daquelas. Todos embasbacados.
Confesso que até hoje tenho gravado em minha memória, todas as cenas, com tinta indelével.
E eu vi!!!!!  Eu vi Sonia Braga com 18 aninhos peladinha, nua em pelo, com pelo, na minha frente, a no maximo 10 metros. Durante 1 minuto inteirinho. Durou uma eternidade, pois até hoje a vejo claramente.
Hair foi um marco na minha existencia.
A mosca da liberdade de expressão, a liberdade de “ser”, a contracultura, o poder da juventude, me picou e norteou para sempre o rumo da minha vida.
Me marcou o ideal hippie que retratava a peça. Não tratou o jovem como um estado de espírito e sim como uma pessoa qualquer de pouco mais de 17 anos… Adolescentes perdidos e contestando algo que  não sabem direito o que é, que precisam estar em bandos pra se proteger até deles mesmos. Eu era um deles ....
Hair não era só uma celebração da contracultura. Era uma celebração total. A tribo que eu vi naquela época está longe do ideal hippie dos fofos doces macrobióticos chatos que a gente se depara por aí cantando Hare Krishna e vendendo incenso ou henna. Eles eram zangados, hostis, ao mesmo tempo ternos e amorosos,  arrogantes, confusos, arrojados, mas com medo dos pais, do país, de Deus, com medo de ir pro inferno, com medo de uma vida nova, que se anunciava sem regras, sem partitura. As novas regras sociais quem fariam seriam eles, e isso  os assustava. Cada um testava seus limites. Em tudo!! Os horizontes se extenderam.
Hair marcou a estréia de vários jovens atores e atrizes, que depois se tornaram famosos por suas atuações no teatro, cinema e televisão.
O elenco era totalmente desconhecido, Eram jovens, muito jovens. E muito sinceros e com uma entrega e uma verdade tão completa que era difícil não acreditar que eles não estivessem drogados numa “viagem” durante o espetáculo. Ao final da peça, enquanto cantavam “Let the Sunshine in”, os atores desceram ao publico distribuindo flores em profusão.
Estavam a 10 mil por hora, correndo pelos corredores, subindo em poltronas, abraçando as pessoas da platéia, provocativos e desafiando os meus pudores e preconceitos.
O elenco inicial era composto por Armando Bogus, Sônia Braga, Maria Helena, Altair Lima, Benê Silva, José França, Neusa Maria, Marilene Silva, Laerte Morrone, Aracy Balabanian, Gilda Vandenbrande, Bibi Vogel e Acácio Gonçalves.
Sônia Braga, então com 18 anos, foi a grande estrela da peça, mas quase ficou de fora do elenco, pois não contava com a simpatia do diretor Ademar Guerra e só foi aceita por conta da insistência de Altair Lima.
Entre os que se encantaram com Sônia, estava Caetano Veloso que compôs Tigresa em sua homenagem. Sônia era a “tigresa de unhas negras e íris cor de mel, que trabalhou no Hair”.
Ao longo da carreira da peça, que se estendeu até 1972, entraram as atrizes Ariclê Perez e Edyr Duqui (que depois faria parte do grupo musical As Frenéticas) e os atores Antonio Fagundes, Nuno Leal Maia, Ney Latorraca, Denis Carvalho, Buza Ferraz e Wolf Maia.
A direção musical da peça foi de Cláudio Petraglia, a coreografia, de Márika Gidali e a tradução das músicas para o português, de Renata Pallotini.


O filme Hair, baseado no musical, de 1979 foi dirigido por Milos Formam
A grande diferença entre os enredos da peça e do filme é que na peça Claude chega à conclusão que a vida na “Tribo” não é o que ele realmente deseja e vai para o Vietnam. No filme, Berger toma seu lugar involuntariamente e morre na guerra. O musical encerra sem que o público fique sabendo o destino de Claude no Vietnam.

Dados extraídos de : http://teatromusicalbrasil.blogspot.com

Este post foi originalmente publicado em 11/09/10 





21 comentários:

  1. Não tive a oportunidade de ver a peça, mas o filme já vi diversas vezes e é mágico.
    Boa recordação Lufe!
    Muitos bjs

    ResponderExcluir
  2. BELÍSSIMA PLOGADA PARA A COLETIVA RETRÔ!Certamente lhe fez muito bem.Saúde paz!!!Tb estou nessa.

    ResponderExcluir
  3. A união faz a força e a arte.
    Beleza, amigo Lufe.

    ResponderExcluir
  4. Que linda nostalgia, Lufe !!
    Esse Retrô foi muito bem escolhido !!


    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Lufe,
    eu vi! Acho que em 71, com o Fagundes, nada mais a dizer você disse tudo, aquilo mudou a cabeça.
    bjs carinhosos
    Jussara
    PS: Não gosto tanto do filme.

    ResponderExcluir
  6. Lufe, eu lembro desse post. Foi um dos que mais gostei, traz uma nostagia boa seu texto, parece que a gente enxerga todo o contexto da época.
    Excelente escolha.
    bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  7. Lufe,

    Muito bom!
    É da nossa época....rs

    Beijinhosssssssss

    ResponderExcluir
  8. Passei só prá te deixar um beijinho =)

    ResponderExcluir
  9. Que felizardo!
    Época da grande efervescência cultural.
    Início dos anos 70, estava literalmente no mato, transamazônica, meu pai trabalhava no antigo DNER, o mega sonho do "desenvolvimento", até hoje lá em cima se espera por estradas decentes...
    Eventos culturais quando chegava aqui na rabeira (Norte)só a elite tinha privilégio de assistir no Teatro da Paz (em Belém Ou Manaus).

    Lufe, excelente texto, que me trouxe boas lembranças... Super idéia da querida amiga Elaine.

    Um fim de semana tranquilo para você.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Lufe, adorei. Havia escrito um comentário imenso e o google perdeu tudo :-(

    Mas fica aqui a síntese do que queria te dizer. Me transportei para o teatro, vi a peça com vocÊ. Vi até a Sônia Braga nua ! (embora acho que teria voltado meus olhos para outros lados rss), e fiquei com uma saudade danada de um tempo que não foi bem meu, mas que me identifico totalmente.

    Que bom que vc reeditou este texto.

    Bjs,

    ResponderExcluir
  11. Olá Lufe! Um texto de se tirar o chapéu, li cada palavra como se tivesse vivendo a época, que vivi mas foi aqui,foi exatamente como disse, e acho que tempos desses nunca mais voltarão, para nós não, e secalhar para ninguém.
    Parabéns pelo o excelente post.

    Um grande abraço,
    José.

    ResponderExcluir
  12. Olá, meus queridos.
    Antes de mais nada, ando meio sumido, mas com muita saudade de vocês.
    O trabalho fora do “Buteco” está me tomando todo tempo e tenho estado ausente, mas logo logo tudo se equilibra e voltarei a recebê-los com maior atenção, o que faço por gosto, e muito!

    ***

    Gisa,

    Você contextualizando, o filme da uma amostragem da época.
    Foi uma revolução social de valores e costumes incomparável.
    Não me lembro historicamente de outra igual.
    Se alguém se lembrar, está aberto o espaço.
    Tive sorte de participar ativamente dela.

    Bjos

    ***


    Zilda,

    Obrigado pela presença.
    Simplesmente este fato é u marco na minha vida, pois eu saindo da adolescência fui atropelado por essas idéias, esses ideais de liberdade em todos os sentidos.
    Nós trilhamos um caminho novo, sem sinalização de onde chegar. E chegamos!
    Tá tudo aí....

    Bjos

    ***

    Guará,

    E fez mesmo....
    O mundo simplesmente mudou.

    Abços

    ***

    Carla,

    Dá saudade daquele tempo de descobertas e desafios.
    A minha geração preparou o caminho das gerações posteriores.
    Da mesma forma que as gerações de hoje não conseguem imaginar a vida sem eletrônicos, as que vieram depois de nós não imaginam uma vida sem liberdade de “ser”. Nós acabamos com isso.

    bjos

    ResponderExcluir
  13. Jussara,

    Nos tivemos essa sorte.
    E que atores maravilhosos e geniais saíram dali.
    Não tinha como não mudar, não é mesmo?
    Nos saímos das camisas “volta ao mundo” , calças de tergal e saias plissadas para as calças de sarja coloridas, camisas floridas e de cores berrantes, de malha e mini saias. Ah, as mini saias!!!!!
    O filme, não traduzia o impacto da peça. A peça era real.
    Serve como vitrine, como amostragem, embora quando olhado fora do contexto chega a ser meio imbecilóide.

    Bons tempos.

    Bjos, querida.

    ***

    Alexandre,

    Novamente na ativa?
    Seja bem vindo em seu retorno....
    Eu realmente fico emocionado ao lembrar e pelo fato de ter participado disso tudo.
    Foi uma mudança radical em todo mundo.
    Existe o antes e o depois.

    Abraços.

    ***

    Sandra,

    Isso mesmo, e que época boa.....

    Bjos

    ***

    Lilly,

    Que bom que passou, e que beijinho mais gostoso......

    Bjoca procê

    ResponderExcluir
  14. Beatriz,

    Eu tive a sorte de assistir ao vivo.
    Mas as idéias e sementes ali lançadas, traduzindo os anseios de uma nova juventude que surgia, atingiu a todos e certamente a você também que faz parte desta geração.
    Eu achei deliciosa esta idéia da Eliane.

    Bjos

    ***

    Malu,

    Que bom que o texto te levou a isso. Fico gratificado.
    A sua geração pegou as mudanças que eclodiram à época já em um outro estágio, e eram mudanças sem retorno. Comparado aos dias de hoje, nos que saímos da geração em preto e branco dos “anos dourados” para este esplendor de cores da geração de hoje.
    È surreal relembrar.

    Ah, você não viraria a cara não, ela era linda........rsrsrs

    Bjos

    ***

    José,

    Obrigado pelas palavras, meu amigo.
    Estes tempos permanecem na nossa lembrança.
    Como eu disse anteriormente, não me lembro de outra revolução de costumes com este impacto e não antevejo a possibilidade de outra nos mesmos moldes.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Oi Lufe! É verdade quando você fala que a minha geração já pegou as coisas mais coloridas. Tenho uma amiga da mesma idade que a minha que me contou uma história engraçada com ela. O tio dela virou hippie. Um dia, ele visitando a família, acampou no quintal da casa. Ela não desgrudava do tio, é claro.

    O caldo entornou quando ela apareceu na sala de visitas com o cabelo todo de trancinhas. kkkkkkkk A família enlouqueceu. Você bem sabe como.

    Hoje vemos mães PAGANDO CARO em salões para enfeitar as filhas com tranças, tintas e tantas outras coisas...

    Ah, lembro bem da Sônia Braga novinha em Gabriela. Era lindona. Mas tenho certeza que olharia outras beldades no palco. hehe.

    Bjs,

    ResponderExcluir
  16. Excelente recordação Lufe!
    E muito atual, já que Hair voltou em cartaz.
    Claro que não deve ser como a que vc assistiu, mas assim que vier a SP vou querer ver.
    As músicas são inesquecíveis...
    Beijão

    ResponderExcluir
  17. Lufe, querido!
    Este post, tão rico em detalhes, fica como um belo registro da história. E que interessante que você tenha vivido a experiência de assistir a peça em uma versão tão original. Ainda não vi no teatro, mas, no cinema, é inesquecível!
    Amei o post!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  18. Malu,

    Eu me lembro que meu pai vivia dizendo que cortaria meu cabelo quando eu estivesse dormindo...rsrsrs
    E eu sou da geração que os pais cortavam o cabelo dos garotos igual ao do Ronaldo Fenomeno na copa.
    Meu cabelo ia abaixo dos ombros. Lisos escorridos.
    O exercito se encaregou de corta-los.
    Quando sai de lá, fiquei tres anos sem cortar.
    Hoje é natural, naquela epoca.....
    A contestação tinha como sua marca os "cabelos"
    Ah, pergunte a sua amiga, as familias afastavam os seus filhos de nós, eramos "a coisa"....rsrsrs

    bjos

    ResponderExcluir
  19. Rê,
    Eu recomendo que antes de assistir a peça você veja o DVD de "anos Dourados", aí você percebera melhor o choque cultural da epoca.
    Dois anos antes de assistir ao Hair eu tenho foto dançando a valsa de quinze anos da minha irmã, igualzinho àqueles anos. Até a foto é em preto e branco....rs
    Dois anos depois, eu usava calça feita de algodão com a mesma estampa daqueles colchões de crina antigos,que nem sei se existem mais, listrada em azul e branco, com listras de varias larguras.
    Antes, a gente demorava uma semana para pegar na mão da namorada, veja bem, na mão!
    Logo depois surgiu a mini saia e consequentemente a pilula....o mundo virou de cabeça para baixo...
    Isso num espaço de 4 anos.

    bjos

    ResponderExcluir
  20. Lu,

    Vindo de quem é da area eu tomo como um grande elogio.....
    Tente ve-la no teatro, pois é uma versão mais contundente. O filme tende ao romantismo e perde um pouco da agressividade das cenas.
    Como você disse, é um fato historico que as vezes passa desapercebido das gerações atuais, apesar de muito recente.
    Que bom que gostou do post.

    bjos

    ResponderExcluir
  21. Época de efervescência e cuca fresca.
    Belo texto.

    ResponderExcluir

Entre no papo, comente!
Sua opinião é sempre bem vinda!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...